Albufeira celebrou feriado municipal

A Câmara de Albufeira assinalou o Dia do Município, 20 de agosto, com a sessão solene de imposição de insígnias a todos os deputados que integraram a Assembleia Municipal, no ano em que se assinalam os 40 anos do Poder Local.

O dia ficou marcado por outras atividades, que tiveram início com o tradicional hastear das bandeiras, em frente aos Paços do Concelho, seguindo-se a inauguração do Moinho do Cerro do Malpique, a visita à obra de beneficiação do parque verde urbano na entrada da cidade, e a apresentação do programa de fim de ano. O programa terminou com o concerto de Ana Moura, que levou à Praça dos Pescadores milhares de pessoas, que também assistiram ao fogo-de-artifício.

“A Assembleia Municipal é um órgão que representa bem o que são as populações, o Poder Local, a Democracia. Não foi fácil chegar até aqui, por isso este reconhecimento é uma mais-valia, um ato de agradecimento a todos o que deram de si à democracia e prestaram o seu contributo à comunidade”, salientou na ocasião Carlos Silva e Sousa, presidente da autarquia albufeirense e um dos homenageados, enquanto presidente da Assembleia Municipal (2005), juntamente com Manuel dos Santos Serra, José Serôdio Bernardo, Domingos Manuel Rodrigues, Joaquim Cabrita Neto e José Bernardo Correia.

No dia 20 de agosto, data em que se assinalaram os 513 anos da entrega da Carta de Foral a Albufeira, pelo rei D. Manuel I, um dos destaques das comemorações oficiais foi a inauguração do Moinho do Cerro do Malpique, alvo de uma intervenção de reabilitação do edifício e respetivo engenho, com o objetivo de restituir este elemento patrimonial à cidade, quer em termos estéticos e técnicos, quer em termos funcionais.

O projeto de reabilitação do moinho e envolvente exterior, orçado em cerca de 144 mil euros, recorreu a técnicas tradicionais e ainda à construção de raiz de um engenho adequado ao edifício, permitindo recuperar a sua função original: a moagem de cereais através da força motriz do vento.

Segundo Carlos Silva e Sousa referiu na oportunidade, “este moinho possa ser simbólico de Albufeira e passe a fazer parte dos cartazes turísticos”. O autarca revelou que existem outros projetos para o Cerro Malpique, para que este passe a ser um espaço cultural “onde se mistura o saber ancestral com o saber moderno, no sentido de aproveitar as energias alternativas, o sol e o vento, e criar aqui um centro educativo e ao mesmo tempo de atração turística, que seja autossustentável em termos energéticos.”

 

You may also like...

Deixar uma resposta