Cavaleiros internacionais são novidade na FATACIL

Algarve Vivo revela algumas das principais inovações do certame para este ano, que pela primeira vez terá torniquetes à entrada, enquanto o espaço do setor equestre vai ser revitalizado.

José Manuel Oliveira

Os setores equestre, com cavaleiros pela primeira vez em Portugal, e do artesanato, que terá mais expositores de todo o país a trabalhar ao vivo, assim como a iluminação no recinto e o controlo das entradas através de torniquetes, serão algumas das principais inovações da 38.ª edição da FATACIL. O evento terá lugar de 18 a 27 de agosto próximo, com um orçamento a rondar os 900 mil euros.

A revelação foi feita ao ‘site’ da revista Algarve Vivo por Luís Encarnação, vereador da Câmara de Lagoa, detentor do pelouro das feiras. “O nosso objetivo, como em todos os anos, é fazer da próxima edição a melhor de sempre. Não vamos ter grandes alterações – esse é um ponto assente. Daremos continuidade ao trabalho já realizado em 2016 na reformulação do espaço, o qual manter-se-á com uma ou outra inovação. Continuaremos a valorizar o setor equestre, esse sim, com novidades, as quais em breve serão anunciadas. Teremos alguns cavaleiros que vão ser estreias absolutas em Portugal. Será um programa muito recheado nessa área e certamente o público irá gostar”, explica Luís Encarnação.

REVITALIZAR PICADEIRO

Nesse espaço, que será o mesmo, mas neste ano alvo de melhorias, a inovação que se prepara surge na sequência da aposta no cavalo lusitano. “Desde há alguns anos, a FATACIL e o Município de Lagoa fizeram um forte investimento na promoção daquela raça e queremos dar continuidade a esse trabalho e melhorá-lo. Acreditamos que o cavalo lusitano necessita de um espaço de promoção a sul de Portugal”, refere, acrescentando: “Existem três grandes polos a nível nacional, digamos assim – Ponte de Lima, a norte, Golegã, no centro, e Lagoa e a FATACIL, a sul. É uma área que o nosso público aprecia. Aliás, a prova disso é a massa humana que se junta nessa zona. Esse espaço vai ser revitalizado.”

SELEÇÃO RIGOROSA

Em relação ao artesanato, revela Luís Encarnação que vai “continuar a aposta nos trabalhos ao vivo”. “Neste momento, a seleção está feita e tivemos apenas de aceitar cerca de uma centena dos mais de 150 artesãos que concorreram. Estão mais ou menos dentro do mesmo número do ano transato. Estamos convencidos é que a qualidade dos artesãos, provenientes de todo o país, incluindo de Lagoa e do Algarve, como é evidente, além de Espanha e Marrocos, será muito melhor. Alguns deles também estarão cá pela primeira vez”, sublinha o autarca.

Os artesãos e outros expositores da região algarvia “continuarão sempre a ter um espaço privilegiado na nossa feira. A FATACIL nasceu aqui e temos o objetivo de ser uma verdadeira montra do nosso concelho e do extremo sul do país. É também o resultado desta aposta que tem sido feita na notoriedade do certame, que foi recuperado nos últimos três anos. Esta procura que temos ao nível de expositores é o reflexo desse trabalho desenvolvido.”

“Acreditamos que este ano os expositores apresentarão mais qualidade, pois quando a procura é maior, isso permite-nos fazer uma seleção mais apurada. Podemos garantir que o nível de expositores na FATACIL 2017, em função da maior procura que tem havido, vai ser muito melhor”, salienta.

MAIS ILUMINAÇÃO

No recinto também surgirão inovações. Para já, mesmo sem querer levantar ‘a ponta do véu’, o autarca promete que haverá “uma decisiva aposta na iluminação, quer decorativa, ao fazer algo diferente, o que será uma surpresa, quer na natural do espaço. A feira vai estar mais iluminada.”

O cartaz musical, garante, “vai ser fantástico”. “Estamos a fazer contactos para que seja dos melhores de sempre. Trabalhamos nesse sentido, mas ainda não podemos adiantar” pormenores. “Durante o mês de maio haverá novidades”, assegura.

A propósito, Algarve Vivo apurou que estão desde já confirmados Agir no espetáculo de abertura do certame e os D.A.M.A, no encerramento.

TORNIQUETES

Outra das novidades “será o controlo efetivo das entradas”. “Ao fim de todos estes anos, vamos instalar um sistema moderno de torniquetes e de contagem dos visitantes. Por duas razões: para sabermos exatamente quantos é que temos e por uma questão de segurança”, realça Luís Encarnação.

Em 2016 a FATACIL recebeu 181 mil visitantes, de acordo com dados fornecidos na ocasião pela Câmara Municipal de Lagoa. Tal número representou um acréscimo de 7 por cento em relação à edição anterior, então com 170 mil pessoas.

You may also like...

Deixar uma resposta