Gala de encerramento ‘A nossa Gente, a Nossa Identidade’ homenageia lagoenses

gala


O Centro de Congressos do Arade, no Parchal, foi palco da gala de encerramento do ano temático em Lagoa, ‘A Nossa Gente, a Nossa Identidade’, com vários espetáculos e homenagens, onde as coletividades e clubes do concelho foram as ‘estrelas’.

José
 Manuel Oliveira

Os cantores Ricardo Sousa, Edmundo Vieira e Beto Kalulu, com as respetivas bandas, o acordeonista Luís Mira, o Rancho Folclórico do Calvário, a fadista Luana Velasques, o Grupo de Cantares do Parchal, o Grupo de Cantares Fonte Nova e o conjunto ‘Magnet Connection’, foram algumas das atrações da gala de encerramento do ano temático de 2016 de Lagoa, intitulado ‘A Nossa Gente, a Nossa Identidade’, no passado dia 13 de janeiro. Cerca de 900 espetadores encheram o Centro de Congressos do Arade.

Dirigentes de 62 associações e coletividades deste concelho foram subindo ao palco para receber placas de homenagem do município, num evento que contou com muita animação e apontamentos de humor.

Rocha Vieira impressionado
“Tudo vale a pena se a alma não é pequena”, disse, emocionado e a citar Fernando Pessoa, o conhecido pintor Manuel Gamboa, de 91 anos, ao receber um troféu como distinção da sua obra das mãos do presidente da Câmara Municipal, Francisco Martins. Isto, pouco depois de Pedro Martins, profissional de badminton e um dos representantes de Portugal nos Jogos Olímpicos 2016, no Rio de Janeiro, Brasil, ter sido outros dos homenageados da noite.

Já o general Rocha Vieira, último Governador de Macau, ao ser contemplado com um galardão, destacou a gala e a forma de homenagear na presença das pessoas, “do vigor, da energia, da realidade que é Lagoa” e as “imensas coletividades” que tem. “O número de associações, de clubes, é de facto impressionante. Não tem paralelo com a massa crítica de um concelho que não é grande. É um grande concelho com certeza pela virtude das suas gentes, das suas realizações, da sua presença, pelo seu vigor e pela sua aposta no futuro em querer ser mais e melhor”, frisou.

O prémio que recebeu como distinção teve para Rocha Vieira “um significado muito especial porque vem da minha terra”. “Sinto-me muito contente que a terra se lembre de mim porque nunca me esqueço que sou de Lagoa e tenho muita honra em ser lagoense”, sublinhou.

gala1


Desfile etnográfico destacado

No final da gala, o edil Francisco Martins, questionado pelo Lagoa Informa sobre qual o evento que mais o marcou em 2016, referiu: “Tivemos uma série de iniciativas. Aquela que mais me sensibilizou efetivamente, se posso escolher uma, foi o Desfile Etnográfico, em que foi recreada com estas gerações de hoje aquilo era Lagoa nos anos 40,50. E conseguimos trazer para o século XXI a Lagoa do século XX e dos seus meios para as novas gerações. Conviverem com as gerações daquela altura, aquela troca de conhecimentos e de experiências para mim acho que foi a mais rica de todas.”

Entre o humor de cariz político a nível local, Francisco Martins garantiu não se ter sentido minimamente chocado. “Não, não!!!” Nem quando num diálogo entre dois artistas do Boa Esperança, ouviu reparos ao facto de agora “ser necessário tirar senha à entrada da Câmara para falar com o presidente e esperar duas semanas…” ou a piada ao notar que “Luís Encarnação manda naquilo tudo…”, ou até  “o pequenote” de Ferragudo, numa alusão ao presidente da Junta de Freguesia, Luís Alberto, que… “vai para a Câmara”.

“Tenho um humor muito rico, gosto muito de brincar e obviamente quer o ‘mocê do Cabresto’ como é conhecido, quer o Pacheco do Boa Esperança são amigos de longo tempo, com toda a liberdade, porque nunca são ofensivos. Brincam, o humorista tem esse papel de caracterizar. Sobretudo o que tivemos aqui foi uma montra daquilo que se faz em Lagoa, de um concelho tão pequeno que consegue ter 62 associações a funcionar e que nós, município, apoiamos. Cada uma com o seu papel, social, cultural, desportivo, educativo e por aí fora, o que, de facto, mostra a pujança de um povo. Isso é que é fundamental”, reconheceu Francisco Martins.

gala 2

E ainda há lugar para mais? “Todas aquelas que tragam algo de inovador, que ajude o concelho a desenvolver-se. Mas sinceramente acho que o concelho está muito bem servido. Temos IPPS em todas as freguesias, associações culturais, desportivas e com excelentes resultados”, realçou o autarca. “Nesta gala homenageámos um atleta olímpico”, notou, referindo-se a Pedro Martins, profissional de badminton. “Temos excelentes provas no andebol, na canoagem, no atletismo. Mais do que aparecerem novas, é potenciarmos aquelas que temos.”

You may also like...

Deixar uma resposta