Nem tudo foi mau para Rui Rio nestas Legislativas


Nem tudo foi mau para Rui Rio nestas Legislativas

 

A região algarvia foi das poucas que ainda deu algumas alegrias a Rui Rio nestas Legislativas. Apesar do resultado, em termos absolutos e percentuais, não ter sido famoso, a verdade é que conseguiu eleger mais um deputado.

Além disso, quando por cá passou, ofereceram-lhe uma garrafa de vinho com o seu nome, o que o deixou encantado da vida. Com a fama de forreta que Rui Rio tem, deve ter-se posto logo a fazer contas mentais e a concluir que sempre são menos dois ou três euros que, este ano, vai gastar em vinho.


Rosa Palma com garganta afinada

Em Silves há uma voz de comando que parece colocar quase todos em sentido. 

Pelos corredores da Câmara Municipal ouve-se muitas vezes a voz, alta e a roçar o grito, da presidente Rosa Palma. 

Diz quem sabe que esse já se tornou no tom mais vezes utilizado pela líder da autarquia. Portanto, ou é como ela quer ou é melhor evitar os corredores da autarquia.


“Eu é que tirei o concelho do marasmo”

Desidério Silva anda por aí aparentemente com vontade de voltar a ser algo mais do que apenas antigo presidente da Câmara de Albufeira e ex-presidente da RTA. Fez questão de marcar presença na sessão de apresentação do programa de fim de ano de Albufeira e mal chegou a casa atirou-se ao computador e publicou na sua página de Facebook um texto muito crítico em relação ao atual homem-forte da autarquia.

Nele acusava José Carlos Rolo de se esquecer dos “responsáveis, entre os quais me incluo, que tiraram Albufeira do marasmo para a colocar no mapa a nível dos eventos nacionais e internacionais”.

Até ao fecho desta edição, o texto tinha recebido duas centenas de likes e uma dúzia de comentários a incentivá-lo a candidatar-se à Câmara. Não se pode dizer que seja uma enorme vaga de fundo, mas pode ser um pequeno passo no sentido de o levar a tentar voltar a sentar-se no cadeirão do poder de Albufeira.


Não vá o diabo tecê-las…

O nome de Joaquina Matos foi, como se sabe, colocado no 4º lugar da lista socialista ao Parlamento. Tratava-se de uma posição vista por toda a gente como de eleição garantida, o que veio a confirmar-se. Enfim, por toda a gente, menos, pelos vistos, pela própria Joaquina Matos.

Pelo sim, pelo não, apenas suspendeu o mandato de presidente da Câmara de Lagos e até manteve o seu gabinete intocável e impecável, pronto a recebê-la de volta caso os resultados eleitorais não fossem os previstos.

Falta de confiança na estratégia de António Costa, na liderança política da cabeça-de-lista, Jamila Madeira, ou na sua própria capacidade de convencer os eleitores?


Deixem-nos trabalhar

O empresário Nuno Battaglia deve ter visto a produtividade da sua fábrica, a Congelagos, cair de forma preocupante ao longo da campanha eleitoral. Isto porque a empresa caiu no goto dos políticos e, da esquerda à direita, quase todos resolveram por lá passar. Imagino que, no princípio, o investidor até deve ter ficado satisfeito por ver a sua fábrica reconhecida, mas, aos poucos, à medida que iam chegando as ‘reservas’ de visitas, o humor deve ter mudado. 

É que numa empresa privada o lucro resulta de trabalho organizado e focado dos seus trabalhadores e não de visitas guiadas a políticos. Por isso deve ter sido com alívio que viu chegar ao fim o período de caça ao voto. Os políticos lá lhe desampararam a loja e tudo voltou ao normal. Mas é melhor ir-se preparando para nova ‘invasão’ pois as autárquicas já não estão assim tão longe.


Moeda ao ar

 

Os cenários que aqui temos traçado sobre o futuro da liderança da Câmara de Portimão têm, aparentemente, servido para reforçar os laços políticos entre Filipe Vital e Álvaro Bila. Mal receberam a última edição da nossa revista, os dois fizeram questão de se fotografar com ela aberta nas páginas de ‘Bastidores’ para sossegar as hostes socialistas e mostrar que entre eles não há qualquer guerra pelo poder.

Aliás, ao que apurámos, o relacionamento é tão bom que já decidiram que quando Isilda Gomes se for embora vão decidir qual dos dois será o sucessor através do tecnológico e pacífico sistema de… moeda ao ar.


 

Castelão manda vir trotinete?

Mas, ao contrário do que se esperava, mesmo com o problema entre Filipe Vital e Álvaro Bila resolvido, não fica tudo na paz dos anjos no PS de Portimão. É que um terceiro ‘candidato’ pode aparecer. Ou melhor dizendo, regressar.

Trata-se de Castelão Rodrigues que saiu este ano da Câmara para o ICNF, mas que poderá marcar uma posição no partido e ser futuro candidato à autarquia. Para o efeito, já terá mesmo encomendado uma trotinete para se precaver e, eventualmente, entrar na ‘corrida’.

You may also like...

Deixar uma resposta