Cáritas Paroquial Nª Srª da Luz está a apoiar mais de 80 famílias

Fotos: Kátia Viola | in Lagoa Informa Jornal nº 167


A Cáritas Paroquial Nª Srª da Luz – Lagoa tem há cerca de dois meses um novo espaço, cedido pela Câmara Municipal, para armazenar alimentos, fazer cabazes e entregá-los às 80 famílias apoiadas atualmente pela organização. São cerca de 20 os voluntários que dão algum do seu tempo em prol do próximo.

“São sempre necessárias mais pessoas, pois já sentimos que os pedidos de apoio estão a aumentar. Precisamos de voluntários de coração e os cerca de 20 que temos são-no”, começa por dizer ao Lagoa Informa o padre Nuno Coelho, presidente da Cáritas Paroquial, explicando de seguida o início da instituição na freguesia.

“Quando cheguei à paróquia, em setembro de 2019, os voluntários da Associação São Vicente Paulo, também ligada à Igreja, queixaram-se de pouca autonomia relativamente à instituição a nível regional e nacional e que era necessária outra alternativa para poder fazer face ao aumento do pedido de apoios que já nessa altura se registava. Procurei soluções para o que pretendiam, que passavam por ter melhores respostas e maior capacidade para ajudar mais famílias. Falei então com o presidente da Cáritas Diocesana do Algarve, Carlos Oliveira, para abrirmos um núcleo em Lagoa e avançamos a partir daí”, explica.

E assim, a 14 de abril deste ano, foi formalizada a Cáritas Paroquial Nª Srª da Luz – Lagoa e em cerca de sete meses foram muitos os auxílios dados a famílias de todo o concelho. Um cabaz alimentar, levantado na segunda semana de cada mês, e a ajuda no pagamento de contas de água, gás, eletricidade ou mesmo da renda da casa têm sido os principais apoios prestados.

O cabaz contém alimentos secos, frescos e congelados, mas também produtos de higiene pessoal ou detergentes para a roupa.
A maior parte dos alimentos que chegam vêm do Banco Alimentar. “Mas temos também muitos particulares e pequenas empresas e empresários que todos os meses nos doam alimentos”, salienta Eduarda Machado, vice-presidente da Cáritas de Lagoa. “O subsídio dado pela Câmara Municipal é muito importante e permite também fazer algumas compras de bens que faltam – nomeadamente de higiene pessoal – e fazer face ao pagamento de outras despesas que as famílias não conseguem suportar”, acrescenta.

Pandemia agrava
Ainda que em 2020 já se sentissem os efeitos provocados pela pandemia da covid-19, a situação agravou-se este ano e os pedidos de auxílio vêm aumentando nos últimos meses. “Sentimos que as famílias estão a necessitar de mais apoios e isso preocupa-me. Com a área que temos enquanto paróquia, desde Lagoa, Mexilhoeira, Parchal e Carvoeiro, não é fácil chegar a todo o lado e isso inquieta-me também”, confidencia o padre Nuno Coelho.

A maior parte dos alimentos que chegam vêm do Banco Alimentar, mas também de muitos particulares e pequenas empresas e empresários que todos os meses ajudam

“Na pior altura da pandemia, no ano passado, a maioria das famílias recorreu à Cáritas devido ao sobreendividamento. Algumas tiveram de ir trabalhar para casa e perderam rendimentos, enquanto outras ficaram sem trabalho. Por outro lado, nunca tivemos tantas famílias jovens necessitadas, em que só um dos elementos do casal trabalha. Depois contamos com agregados com crianças a necessitar de grande ajuda e um dos progenitores tem de ficar em casa a tomar conta”, relata Eduarda Machado.

Apesar da situação mais difícil e das necessidades crescentes, mais do que o desespero, a ‘vice’ do núcleo destaca outro sentimento que nota nas pessoas que mensalmente levantam o cabaz de alimentos. “Acho que connosco encontram algum conforto e há um agradecimento genuíno por parte das famílias. Isso é algo que também nos dá força e nos motiva a ajudar, pois sentimos a importância que este auxílio tem para a vida destas pessoas”, sublinha.

Cruzamento de informação
Todas as famílias que recebem apoios estão devidamente identificadas e sinalizadas, sendo feita uma partilha de dados com várias instituições do concelho para que não haja duplicação de ajudas.

“Pedimos a declaração de rendimentos, faturas das despesas mensais e analisamos. Cruzamos a informação com outras entidades, como a Câmara Municipal ou a União das Freguesias de Lagoa e Carvoeiro e outras instituições que também dão apoio social no concelho, como a Santa Casa da Misericórdia de Estômbar, para que não haja aproveitamentos e abusos. Já aconteceu duas vezes e essas pessoas deixaram de receber cabazes nossos. Há preocupação em sermos rigorosos nesta triagem. Além disso, todos os bens entregues às famílias ficam registados num ficheiro, e nós temos o histórico de cada uma delas”, explica Eduarda Machado.

Novo espaço já é pequeno
A 8 de setembro deste ano, a Câmara Municipal cedeu um imóvel ao núcleo para que este pudesse ter maior capacidade de armazenamento de alimentos e mais espaço para formação dos cabazes. Em pouco tempo, a loja situada na Urbanização Covas da Areia, nº1, em Lagoa, já é pequena para guardar os alimentos para as 80 famílias apoiadas, num total de cerca de 300 pessoas, não sobrando lugar para guardar roupas e outros bens.

“Para já vamos manter-nos assim. O espaço foi-nos cedido há cerca de três meses e ir já pedir outro parece-me complicado. É certo que existe essa necessidade para armazenar roupas e mobiliário que, às vezes, nos são dados. Mas estamos a utilizar uma área da paróquia, a antiga casa da catequese. No caso de roupas e mobiliário, a única hipótese que temos é assim que nos chega alguma coisa, é entregar logo a uma família identificada, uma vez que o espaço é pouco”, explica o padre Nuno Coelho.

“Há um ano, quando começámos a procurar um sítio, tínhamos uma realidade, hoje temos outra, mais grave, e por isso necessitamos de um espaço maior não só para alimentos como também para roupas. Mas só temos a agradecer à Câmara pelo grande apoio prestado, claro”, acrescenta Eduarda Machado.

Empresas ajudam no Natal
Com a época festiva à porta, haverá algum reforço nas ajudas, até porque a Cáritas Lagoa tem recebido contactos por parte de algumas entidades que pretendem apoiar. Duas empresas, uma do concelho e outra de fora, já se disponibilizaram para doar brinquedos e livros para as crianças das famílias apoiadas pela instituição. “Por outro lado, o Lions Clube de Lagoa dá-nos cabazes de Natal para encaminharmos para as famílias”, como já faziam antes com a Associação São Vicente Paulo, destaca a responsável.


BREVES
Pedidos triplicam em dois anos
Em setembro de 2019, a paróquia, ainda como Associação São Vicente Paulo, apoiava entre 25 a 30 famílias. Atualmente, com os impactos da pandemia, esse número triplicou e são já cerca de 80 os agregados que recebem apoio alimentar.

Como ajudar?
Para ajudar a Cáritas Lagoa, qualquer cidadão poderá deixar alimentos na Igreja da Nossa Senhora da Luz ao sábado e ao domingo, num cesto instalado à entrada. Para a doação de outros bens, é possível contactar a vice-presidente da Cáritas Paroquial Nª Srª da Luz, Eduarda Machado, através do 919 124 690. Poderá obter mais informações na página do Facebook da instituição.

Alimentos necessários
O azeite é um dos produtos que mais falta faz para incluir nos cabazes, tal como conservas e massas diversas, exceto o esparguete que há bastante armazenado.

A direção

Presidente: Padre Nuno Coelho | Vice-presidente: Eduarda Machado | Secretária: Sónia Martinho | Tesoureiro: Nelson Alves Vogais: Juliana Coelho, Tiago Guerreiro e David Gonçalves

You may also like...

Deixe uma resposta