Lagoa quer definir estratégias para preservar memória local

‘Entre o tudo guardar e o nada perder – O papel dos Arquivos Municipais na salvaguarda da memória local’ é o título do colóquio que assinalará em Lagoa a comemoração do Dia Internacional dos Arquivos e o 70.º aniversário da criação do Conselho Internacional de Arquivos.

Marcado para 9 de junho, no auditório do Convento de S. José, o colóquio tem por objetivo divulgar a importância dos arquivos para as populações locais, dando início ao ciclo temático ‘Lagoa por uma causa’, que pretende ser um momento de reflexão em torno do que se pode ou se deve conservar, no sentido de combater o esquecimento e preservar as memórias nacional, regional e local.

A iniciativa destina-se a arquivistas, bibliotecários e documentalistas, historiadores, arqueólogos, museólogos, estudantes, professores e todos os que lidam, direta ou indiretamente, com os arquivos e a preservação e difusão da história e memória.

Está previsto que Lagoa receba um leque de convidados na área das ciências da informação, entre os quais se contam nomes como José Pacheco Pereira, Armando Malheiro da Silva, António Maranhão Peixoto, Paula Ucha, Cristiana Vieira de Freitas, Abel Rodrigues, Alexandra Lourenço, André Melícias, Maria Luísa Pereira ou Tiago Barão.

PROGRAMA INTENSO

A sessão de abertura, pelas 9h30, contará com a presença do presidente da Câmara Municipal de Lagoa, Francisco Martins, e da presidente da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas (BAD), Maria Alexandra Silva Lourenço.

Seguir-se-á a conferência de abertura, intitulada ‘Salvar a memória do passado como arma para a democracia do presente’, pelo historiador José Pacheco Pereira, que moderará o painel das 11h00, sob o tema ‘A transversalidade da informação arquivística: o desafio da salvaguarda da memória central e local’, a cargo de Paula Cristina Ucha, da Biblioteca e Arquivo da Secretaria -Geral do Ministério da Economia.

Pelas 11h30, Cristiana Vieira de Freitas, do Arquivo Municipal de Ponte de Lima, falará sobre ‘O acesso à memória nos Arquivos Municipais 2.0: da digitalização à preservação digital’, e o ex-diretor do Arquivo Municipal de Viana do Castelo, António Maranhão Peixoto, encerrará a manhã com a palestra ‘Gestão Documental e Memória: Que Futuro nos Arquivos Municipais?’.

Pelas 15h00, André Melícias, do Centro de Estudos Clássicos da Universidade de Lisboa, fará uma intervenção sobre ‘Arquivos da Igreja como lugares de memória, identidade e ação: perspetivas sobre os seus desafios e oportunidades’, moderada por Armando Malheiro da Silva. Abel Rodrigues, da Universidade do Porto, questionará uma outra abordagem do mesmo assunto, com o título ‘Os Arquivos Pessoais e Familiares e os Arquivos Municipais: uma relação lógica ou paradoxal?’.

A tarde ficará ainda marcada pela intervenção conjunta de Maria Luísa Pereira e Tiago Barão, do Arquivo Distrital e Municipal de Faro, respetivamente, e da Rede de Arquivos do Algarve, sobre ‘A salvaguarda dos arquivos das associações: o caso da colaboração dos municípios do distrito de Faro e da Rede de Arquivos do Algarve no projeto da DGLAB’.

‘Património documental e Informação Orgânica: problemas e desafios para o futuro dos Arquivos Municipais’, por Armando Malheiro da Silva, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, encerrará, pelas 17h00, este ciclo de intervenções, cujas conclusões serão apresentadas pela presidente da BAD na sessão de encerramento.

A inscrição no colóquio é gratuita, mas obrigatória, até dia 7 de junho, através do seguinte endereço: https://goo.gl/forms/PXJ6231BkIv1HzAG2. Esclarecimentos adicionais em: arquivo@cm-lagoa.pt ou 282 380 435.

You may also like...

Deixar uma resposta