Praia da Luz vai criar grupo para as marchas populares

Luz-beach-019c

São necessários 12 elementos masculinos e 12 femininos para formar um grupo com vista a assinalar em junho os festejos do Santo António, do São João e do São Pedro em várias localidades da freguesia da Luz, no concelho de Lagos, afirmou o presidente da junta, Victor Mata, ao ‘site’ da revista Algarve Vivo. Reunião na quinta-feira, 18 de fevereiro, marcará início da preparação da iniciativa.

José Manuel Oliveira

A Junta de Freguesia da Luz está a preparar a formação de um grupo de adultos com 24 elementos, tendo por objetivo a realização de marchas populares durante o mês de junho nesta zona do concelho de Lagos. Juntar-se-á, assim, a um conjunto infantil que esteve em ação no mesmo período do ano passado.

“Estamos a começar e veremos o que iremos conseguir. Para já, vamos levar a efeito uma reunião na quinta-feira, dia 18, de modo a começar a preparar a constituição de um grupo adulto com um total de 24 elementos, ou seja 12 masculinos e outros tantos femininos, para as marchas populares, as quais assinalarão o Santo António, o São João e o São Pedro, no mês de junho. Pretendemos que esta atuação seja de forma rotativa na Praia da Luz e nos arredores, nomeadamente nas localidades de Almádena, Espiche e Burgau. Juntar-se-á, assim, ao grupo de marchas infantil já existente e composto por 20 elementos que, em 2015, comemorou nesta freguesia os Santos Populares”, disse à Algarve Vivo Victor Mata, presidente da Junta de Freguesia da Luz.

Os ensaios deverão ter lugar nas instalações do antigo mercado municipal desta localidade turística e o novo grupo de marchas populares poderá também atuar durante um fim-de-semana em cada um dos meses de julho, agosto e setembro no âmbito de espetáculos integrados nas festas da Luz, junto à Igreja, e que contarão com a participação de vários artistas.

Faltam jovens para revista à portuguesa

Por outro lado, o autarca não escondeu a sua desilusão pelo facto de ainda não ter sido possível formar um grupo para a revista à portuguesa, ideia que o próprio idealizou em 2015 e para a qual, de resto, até já tinha preparada uma peça designada ‘O Mar é Nosso’, da sua autoria, como o ‘site’ da Algarve Vivo referiu na altura.

“É muito difícil e sinto-me desiludido, mas não desisto. O objetivo é conseguir reunir um total de pelo menos 12 jovens de ambos os sexos a partir dos 13 anos para formar seis pares. Nesse grupo são necessários elementos, nomeadamente para dançar e para cantar, entre outras atuações. Já tinha pronta a peça ‘O Mar é Nosso’, mas nem sequer houve ensaios, apesar das várias tentativas nesse sentido. O problema é que há pouca juventude na Luz e as pessoas não estão habituadas a este tipo de atividades. Não é tradição”, lamenta o presidente da Junta de Freguesia, Victor Mata.

You may also like...

Deixar uma resposta