EMARP arranca com projeto de recolha de orgânicos

A Empresa Municipal de Águas e Resíduos de Portimão (EMARP) iniciou um projeto-piloto de implementação de um sistema de recolha seletiva dos resíduos orgânicos no concelho.

A medida será desenvolvida com recurso a verbas obtidas através de uma candidatura ao Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos.

Nesta primeira fase, envolve restaurantes, escolas e Instituições Particulares de Solidariedade Social nas freguesias de Portimão e de Alvor.

Os objetivos do projeto-piloto, que abrange 13 836 alojamentos, o equivalente a 19 353 habitantes, ou seja 35 por cento da população, passam por criar condições para que o município cumpra a obrigatoriedade da recolha seletiva dos biorresíduos a partir do dia 1 de janeiro de 2024. Nessa data, a recolha seletiva ou a separação e reciclagem na origem passa a ser obrigatória para todos os municípios portugueses.

Para já, a EMARP dotará o concelho com os equipamentos e recursos necessários para a operacionalização do sistema de recolha seletiva de orgânicos, ao mesmo tempo que informará e sensibilizará os munícipes para a importância do envolvimento e adoção de práticas mais sustentáveis e amigas do ambiente.

A recolha seletiva de orgânicos, assente na economia circular, possibilita desviar dos aterros 37 por cento de resíduos biodegradáveis. Isto porque, segundo os responsáveis, os aterros têm aumentado de volume de forma insustentável, exigindo cada vez mais espaço e energia, quando os restos de comida podem ser transformados em fertilizante 100 por cento natural para a agricultura e jardinagem. Esta medida levará ainda à diminuição das emissões de dióxido de carbono e gases com efeito de estufa.

No concelho serão implementados dois modelos de recolha distintos. Para a ‘Recolha Seletiva de Proximidade’ serão instalados, junto à rede de ecopontos existentes na via pública, 144 contentores destinados à deposição dos orgânicos. Devem ser separados antes, num balde de sete litros, entregue a quem integre a área piloto, explica a EMARP.

Os moradores abrangidos terão direito a um kit informativo, um balde para a separação dos restos de comida em casa, com vista a depositá-los depois no contentor castanho (instalado no exterior), sem haver a possibilidade de contaminação. Os munícipes serão contactados este mês para saber como devem proceder.

Dez dos equipamentos instalados vão dispor de um sistema eletrónico de acesso controlado com leitura automática (RFID), que permite a deposição inteligente, criando uma base de informação para avaliar os resultados em função da qualidade, quantidade e das características populacionais.

Para a ‘Recolha Seletiva de PaP’ (porta à porta), que prevê nesta fase a integração de cinco IPSS, 11 escolas e 80 estabelecimentos de restauração, serão incluídos contentores de 360 litros e a recolha será articulada entre os estabelecimentos e os serviços da EMARP. Começará a 14 de março. Todos os restaurantes aderentes terão direito a ostentar um selo ‘Desperdício Zero’.

Campanha para sensibilizar
‘Está na Hora!’ é o mote que marca o arranque da campanha de comunicação do projeto-piloto de recolha seletiva do novo fluxo de resíduos, os orgânicos. A mascote será a ‘Marafada’, que tem a missão de salvar os restos de comida (resíduos orgânicos) do aterro, aproveitando o enorme potencial de valorização deste recurso e possibilitando a sua transformação em fertilizante cem por cento natural.

A EMARP desenvolveu, entretanto, um site (https://organicos.emarp.pt/) que agrega toda a informação do projeto, onde é possível consultar a área piloto, esclarecer dúvidas, aderir ao projeto.

You may also like...

Deixe uma resposta