Eventos âncora de Verão voltam a ser cancelados

Se em 2020 todos os grandes eventos de Verão tinham sido cancelados, este ano, essa é de novo a realidade num Algarve habituado a feiras, festivais e festas com aglomerados de pessoas, sobretudo nos meses de julho e agosto.

A propagação da covid-19 e as subidas acentuadas de casos ativos desta doença levam a que os espetáculos âncora não se realizem e a que as Câmaras Municipais invistam, ao invés disso, em iniciativas mais pequenas, com artistas locais e em formato mais intimista.

Como Luís Encarnação, presidente da autarquia de Lagoa, explicou à Algarve Vivo, “é quase certo que a Feira de Artesanato, Turismo, Agricultura, Comércio e Indústria de Lagoa (FATACIL) não se realize em 2021”.

“Muito provavelmente vamos anunciar, em conjunto com os autarcas de Portimão, Olhão, Faro e Silves, que não serão realizados os grandes eventos de Verão, porque não há condições para os promover”, justifica.

Apesar de ainda ter havido, até há pouco tempo, alguma esperança, a atual situação pandémica no país deitou por terra todas as expetativas.

“A questão é, também, que a determinação do Governo proíbe até final de agosto festas populares, feiras e romarias, o que inviabiliza a realização”, da FATACIL, do Festival da Sardinha, em Portimão, do Festival do Marisco, em Olhão, ou da Feira Medieval de Silves.

Ainda assim, as autarquias apostam em reinventar conceitos e promover iniciativas que apoiam os artistas locais. Lagoa promove o ‘Cultura sai à Rua’ como aconteceu em 2020, em plena pandemia provocada pela covid-19.

“Este ano vamos continuar com a programação, em vários locais do concelho, em simultâneo e em espaços públicos. Serão cerca de 80 espetáculos, com artistas locais e regionais”, adianta Luís Encarnação.

Já Portimão estaria a estudar algumas soluções alternativas, como era o caso de alguns concertos se realizarem em recinto fechado e controlado a nível de acessos. Estas alternativas e soluções vão ser divulgadas à medida que haja diretrizes mais sólidas, quer dos responsáveis do Governo, quer da Direção-Geral da Saúde, e consoante a evolução quer da pandemia, quer da vacinação contra a covid-19 que está a ser implementada em todo o território nacional. Entretanto promove alguns eventos como é exemplo ‘O Palco é Teu’, que também foi criado para apoiar os artistas locais.

Segundo fonte da autarquia, há cinco concertos comprados pela Câmara que eram para ter decorrido na edição de 2020 do Festival da Sardinha. Com a pandemia a limitar as iniciativas no ano passado, este evento foi suspenso, na esperança de que se concretizasse em agosto de 2021.

Não havendo Festival da Sardinha mais um ano, esse facto poderá não colocar em causa os concertos contratados para a edição de 2020, desde que promovidos em recintos fechados, à semelhança do que aconteceu com o espetáculo que a fadista Mariza deu em outubro de 2020, na zona ribeirinha de Portimão, no âmbito da animação paralela ao Grande Prémio de Portugal em Fórmula 1.

You may also like...

Deixe uma resposta