Equipa Especial de Intervenção de Bombeiros reforça combate a incêndio em Marmelete

11659285_1135736509787881_2469236180878238462_n

Encontram-se no terreno 255 operacionais das 15 corporações do Algarve e da Equipa Especial de Intervenção de Bombeiros, a qual inclui elementos de várias zonas do país, além de 89 viaturas. “Duas frentes ainda ativas estão a ceder e esperamos dominar o fogo durante a noite”, disse à Algarve Vivo o comandante operacional distrital da Proteção Civil do Algarve, Abel Santos. Um bombeiro de Aljezur sofreu uma entorse num pé, um carro da corporação de Lagoa ardeu e as dez pessoas retiradas das suas habitações na freguesia de Marmelete já regressam a casa. 

José Manuel Oliveira

Deverá ficar dominado durante a madrugada o incêndio de grandes proporções que atingiu, nesta quinta-feira à tarde, a freguesia de Marmelete, no concelho de Monchique, e que obrigou à retirada por precaução de uma dezena de pessoas das suas moradias, dispersas numa intensa zona onde predominam sobretudo mato e eucaliptos.~

“Duas frentes ainda ativas, em Corte Cibrão e no Tojeiro, estão a ceder e esperamos dominar o fogo durante a noite. O vento que se faz sentir não é muito forte”, afirmou-nos o comandante operacional distrital da Proteção Civil do Algarve, Abel Santos. Neste momento, encontram-se no terreno 255 operacionais das 15 corporações desta região e da Equipa Especial de Intervenção de Bombeiros, provenientes de várias zonas do país, nomeadamente do Alentejo, assim como 89 veículos. Um bombeiro de Aljezur sofreu uma “entorse e tem dores num pé”, referiu o comandante Abel Santos.

Entretanto, como confirmou à Algarve Vivo aquele responsável, as dez pessoas que tinham sido retiradas durante a tarde das suas habitações, na freguesia de Marmelete, “já voltaram a casa”.

Recorde-se que o fogo, que deflagrou por volta das 12h30 perto da zona do Tojeiro, na freguesia de Marmelete, terá sido provocado por “uma queima de mato”, segundo avançou na altura o presidente da Câmara Municipal de Monchique, Rui André. De acordo com informações recolhidas pelo nosso site, o caso foi entregue à Guarda Nacional Republicana de Monchique.

A Polícia Judiciária estará também no terreno. O possível infrator poderá incorrer numa pena de multa e ser levado a tribunal. Recorde-se que as queimadas em zonas rurais e florestais estão proibidas até 15 de outubro.

Por outro lado, e como já descrevemos, uma viatura dos Bombeiros Voluntários de Lagoa ardeu após ter resvalado para uma ribanceira. Já não foi possível resgatá-la mesmo com o recurso a cabos, devido ao rápido avanço das chamas, mas não se registaram feridos.

You may also like...

Deixe uma resposta