Stam ainda ambiciona ter uma sede em Lagoa

in Lagoa Informa Jornal nº169


A associação cultural Stam há cinco anos que procura uma nova sede, depois de ter começado em Porches e ter passado por Armação de Pêra. Em 2019, Tatiana Teixeira, presidente da associação, e Hernâni Neves, presidente da Assembleia, decidiram fixar-se em Lagoa e alargar as atividades a este território.

Passados dois anos, já com outra dimensão e mais alunos, os responsáveis continuam a perseguir a ambição de ter a sede na cidade, pois têm vindo a crescer, quer em número de inscritos, quer em tipo de projetos. A associação não tem ainda posses para comprar um imóvel e depende da boa vontade e dos apoios que recebe. Por isso, até um terreno seria bem-vindo, ficando a Stam com a responsabilidade de construir um espaço para todos os jovens da região. Segundo, afirmam, para a construção poderiam recorrer a programas de apoio, ainda que tenham consciência de que não seria um projeto para concretizar a curto prazo.

“Sabemos que na possibilidade desse objetivo ser realizado, conseguiremos promover mais aulas, ter mais professores, dar mais conforto aos artistas, professores, pais e alunos, dinamizar mais as atividades, ter salas de estudo e de workshops”, descrevem.

Essa concretização daria à Stam, também, um maior reconhecimento pela comunidade, criando mais interação e interesse em relação aos projetos que desenvolvem, permitiria o alargamento dos horários e uma maior qualidade dos serviços prestados, segundo argumentam.

O que, de facto, ambos querem com a sede é tornar a associação cultural num ponto de referência, sobretudo, associado ao hip hop, com a criação de um espaço multicultural, onde possam convidar artistas ligados à cultura para pequenas sessões.

O projeto em Lagoa iniciou-se nas instalações do Centro de Estudos e Formação de Lagoa (Cefla), cedidas pela Câmara Municipal, com duas classes, a dos kids e a dos teens.

Em março, devido à pandemia, as aulas passaram para o formato online, que só viriam a retomar o regime presencial em junho, na rua, por estar vedada a utilização de instalações desportivas. Em janeiro de 2021, até maio, voltariam a ser encerradas as aulas presenciais, continuando, a partir dessa altura, as duas classes, a dos kids e a dos teens, no ginásio da Escola Secundária Padre António Oliveira Martins Lagoa (ESPAMOL), espaço cedido pelo município. Isto porque, entretanto, o volume de alunos em cada classe da Stam não permitia continuar no Cefla.

“De ano para ano, a nossa associação tem crescido e, apesar de todo o apoio que temos recebido, enfrentamos duas ‘dificuldades’. Uma é o facto de não termos uma sede, pois dependemos da disponibilidade e horários dos recintos, onde nos encontramos e, muitas das vezes, não conseguimos corresponder às necessidades dos alunos. A segunda é não termos uma carrinha de transporte de alunos, tanto para aulas como para espetáculos ou eventos. Utilizamos as nossas viaturas e, muitas vezes, não conseguimos assegurar o transporte de todos. O desgaste das viaturas começa a transparecer”, explicam.

Essa é uma das razões que leva a que estejam a desenvolver um projeto para a aquisição de uma carrinha, que vai ser apresentado a empresas que os responsáveis da Stam consideram que partilham da mesma visão para criar uma parceria, referem.

Já a questão da sede, não servirá apenas para a associação, pois a ideia é tornarem-na num espaço cultural, onde os jovens possam encontrar o seu refúgio artístico, treinar, conviver e fazer ‘brainstormings’ com outros artistas, descrevem.

Enumeram, porém, alguns condicionamentos por não terem um espaço próprio. São “reuniões que, muitas vezes, têm de ser feitas em cafés ou na rua, por não haver disponibilidade para estarmos numa sala, entre outras atividades e artistas que pretendemos trazer ao Algarve, mas que, sem um espaço que respire a nossa cultura e que consiga identificar-se com eles, muito dificilmente conseguiremos atingir esse objetivo”, referem.

Cláudio Marcos, um dos alunos desta escola refere, aliás, que é necessário um espaço, que seja de “inclusão, cultural onde os jovens serão o exemplo de um aprendizado de partilha”, até porque considera que “a cultura define um povo, os seres individuais e um grupo”.

Muito além da dança
O que estes jovens estão a desenvolver, é mais abrangente do que o simples ensino de dança. “Estamos a educar e a desenvolver capacidades nos nossos jovens de forma a que se tornem melhores adultos”, garantem.

Entretanto, no hip hop já conseguiram algumas conquistas nestes dois anos em que estão em Lagoa. Em outubro, a Stam iniciou a classe de competição e promoveu o primeiro ‘Exame Teórico de Hip Hop em Portugal’ referente às audições para a equipa de competição da época 2021/2022.

No mês passado, devido à procura e atendendo as necessidades da população de Lagoa, a Stam iniciou as aulas dos ‘Baby’s In Motion’, para crianças dos 3 aos 5 anos, no ginásio da Escola EB 2+3 Jacinto Correia, tendo o espaço sido cedido pelo Agrupamento de Escolas ESPAMOL.

Ainda no dia 8 de dezembro, a Stam participou num espetáculo em Lisboa e, apesar de se centrarem no Algarve, a associação já está a integrar algumas atividades na região do Porto.

Além da dança há diversas iniciativas que promovem relacionadas com a cultura hip hop, como o ‘grafitti’. Estiveram com os alunos em Portimão para lhes ensinar mais sobre o ‘stencil’. É ainda exemplo uma palestra a 20 de novembro, em Faro, em parceria com o Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), chamada ‘Os Jovens e a Dança’, naquele que foi o primeiro evento fora dos concelhos onde atuam.

Crescimento sustentado
A associação tem vindo a crescer, tendo, neste momento, 73 alunos divididos pelos concelhos de Lagoa e Silves. A recente abertura das classes para crianças dos 3 aos 5 anos leva também à expetativa de aumento.

A verdade é que a Stam não se cinge aos números de inscritos, pois, segundo os dados conjuntos com a Direção Regional do Algarve do IPDJ, num ano ‘normal’, entre escolas, creches, palestras e workshops, aulas regulares, privadas e eventos, a associação conseguiu alcançar dez mil pessoas, das quais dois a três mil são jovens.

“A complexidade e complementaridade do que fazemos é tão grande que conseguirmos numa associação, abranger o que um clube desportivo, uma associação cultural e até uma Instituição Particular de Segurança Social, faz”, explicam os responsáveis.

É que a Stam promove a prática lúdica, social, desportiva e cultural, mas também acompanha os jovens que, por vezes, se enquadram em casos de abandono ou insucesso escolar, no risco de discriminação, os residentes em zonas de intervenção prioritária, imigrantes, deficientes e em risco de pobreza ou situação NEET (jovens que não trabalham, não estudam nem seguem uma formação). “Humanamente, socialmente, psicologicamente acreditamos que conseguimos fazer a diferença na vida de todos”, enumeram.

Dia Mundial da Música
Uma das ações de referência para a associação Stam é a celebração do Dia Mundial da Dança, que se assinala a 29 de abril e que proporciona à comunidade e aos artistas algarvios debates e aulas gratuitas que, noutro âmbito, não se realizariam na região.

“O Algarve tem muito talento e para nós este dia serve para demonstrar que existe uma alternativa e que não precisamos de ir para as grandes cidades para conseguirmos atingir os nossos objetivos”, afirma Tatiana Teixeira.

Outras das atividades que têm promovido, desde 2019, são as palestras e aulas nas escolas. “No âmbito destas atividades, este ano, estivemos presentes no Plano Nacional das Artes, que pretendemos fazê-lo, em breve, em Lagoa, com o Agrupamento de Escolas ESPAMOL”, garantem.

Stam no Dubai
Uma conquista para a associação foi também o facto de Tatiana Teixeira ter estado, desde 12 de julho até setembro, no Dubai, a representar Portugal.
“Sentimos uma enorme alegria e satisfação ao vermos frutos de todo o trabalho desenvolvido ao longo destes anos”, constatam.

Bolsas de Dança em janeiro
O novo desafio a que a associação dará forma será o projeto ‘Bolsas de Dança Stam’, que começa no próximo mês. O objetivo será “dar a oportunidade aos jovens que queiram dançar, mas que não tenham possibilidades financeiras, de o fazer”, referem.

A iniciativa foi criada no âmbito da candidatura ao programa público ‘Bairros Saudáveis’. Seria um investimento de 50 mil euros e foi o maior projeto apresentado no Algarve. No entanto, não conseguiu a pontuação necessária para ser eleito, explicam em declarações ao Lagoa Informa.

Mesmo assim, a associação procurou a parceria do Instituto Português do Desporto e o apoio dos municípios onde atuam, compactou a iniciativa e vai implementá-la, de forma mais inclusiva, permitindo que os jovens frequentem as aulas regulares da Stam, como todos os outros alunos, deixando para trás o rótulo de ações sociais para bairros municipais.

Ambições para o futuro
Ser uma referência em Portugal, no que toca à dança e à arte, é uma das ambições dos jovens que lideram esta associação, que chegou a Lagoa em 2019. “Queremos promover mais atividades, não só para os jovens, mas também para o público sénior, com mais professores e estilos de dança”, afirmam. Outra das intenções, quando conseguirem ter a sede construída, é criar um campo de férias.

Na atualidade, têm contado com o apoio do IPDJ e dos municípios para as atividades regulares anuais. “Temos noção que já conquistamos muito, nestes últimos anos, mas temos muitos projetos na ‘gaveta’ que queremos lançar. Viemos para ficar e para trabalhar de forma ativa na educação artística e social dos jovens”, asseguram.

Pandemia obrigou a que Stam se reinventasse

A associação de dança Stam teve de se adaptar às limitações provocadas pela pandemia da covid-19 e, tal como muitas outras no país, passou para o ambiente online. “Não foi nem de perto a melhor solução, mas foi a única forma de continuarmos a lecionar e com os ‘serviços mínimos’”, explicam os responsáveis. Foi uma realidade para a qual ninguém estava preparado e, por isso, a Stam tentou fazer o melhor com o que dispunha. Além das aulas, conseguiu apresentar a história do hip hop em Portugal, tendo contado com alguns convidados, mas os responsáveis sentem que ficou muito por fazer e que, de uma escola, quase passaram para um centro de terapia de dança. “Os alunos chegavam às aulas completamente desmotivados, precisavam de comunicar, desabafar, precisavam de ‘um ombro amigo’ e temos a certeza que isso vai continuar a fazer falta aos jovens até a normalidade chegar”, afirma Hernani Neves.

AULAS EM LAGOA

Classe babys
(3 aos 5 anos)
Segundas e quartas-feiras (17h15 às 18h00)
EB 2+3 Jacinto Correia

Classe kids
6 aos 11 anos)
Segundas e quartas-feiras (18h30 às 19h30)
ESPAMOL

Classe teens
(12 aos 18 anos)
Segundas e quartas-feiras (19h30 às 20h30)
ESPAMOL

Aulas de competição
Sábados
(10h às 12h30)
ESPAMOL

You may also like...

Deixe uma resposta